curso intensivo
PLANEAMENTO DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL
programa, plano e ação

Curso Intensivo - Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável. Programa Plano e Ação

  • Paula Teles, Pedro Ribeiro da Silva
  • 10 Janeiro a 8 Fevereiro 2020
  • 09h00-13h00 e 14h00-18h00
  • 24h
  • Inscrições até 8 de janeiro
  • Local de formação: Porto
  • Inscrição 150€ / Propina 650€
  • 10% de desconto para estudantes das ESG\ Escola Superior Gallaecia e inscritos na Ordem dos Engenheiros e na Ordem dos Arquitectos
  • Número mínimo e máximo de estudantes: 12 a 20
  • Eleitos locais; Técnicos municipais e das administrações regionais e nacionais; Estudantes do ensino superior

Metodologia

  • Durante as sessões serão convidados alguns especialistas da área.
  • Haverá trabalhos de discussão de grupo em sala.
  • Terminará com uma Visita de Estudo à cidade de Pontevedra, Espanha.

1ª Sessão

Mobilidade urbana sustentável:
da inseparabilidade da história das cidades e das respetivas mobilidades.

História da mobilidade enquanto história das cidades; Diversidades e Especificidades da mobilidade nas cidades do mundo; Problemas e soluções da mobilidade urbana ao longo da história; As cidades e vilas contemporâneas; Os novos paradigmas da mobilidade; A sustentabilidade em meio urbano; O planeamento e os Planos de Mobilidade Urbana Sustentável, PMUS - SUMP Sustainable Urban Mobility Plan. O financiamento europeu em mobilidade urbana sustentável e a tradução do Portugal 2020. Introdução aos conceitos essenciais, análise de práticas, as componentes setoriais da mobilidade, integração com os planos de uso do solo.

  • Pedro Ribeiro da Silva
  • 10 Janeiro
  • 14h00-18h00

2ª Sessão

Acessibilidades pedonais e universais
O reforço da "caminhabilidade" e da "sociabilidade" no meio urbano e o direito universal ao acesso à cidade e vila.

Condições de caminhabilidade / “Walkability” na cidade e na vila.

O panorama dos padrões de mobilidade, tendências e desafios. Passeios como estruturas de continuidade de percurso. As praças como espaços simbólicos e factuais de sociabilidade. Os interfaces como nós de multimodalidade e a sua importância na rede. Aproximação entre o desenho de passeio e de praças, passeios com zonas de descanso e praças com apelo a modos ativos de estar. O papel da estrutura ecológica urbana nos corredores pedonais e na saúde pública. O Mapa-Minuto e as prescrições médicas para o estímulo do andar a pé. A cidade como Polis - política e democracia. O direito de todos à cidade e o desenho da cidade para todos. Breves noções sobre o DL163/06 de 8 de Agosto e a sua aplicabilidade nos princípios de desenho urbano universal. Planos de Intervenção nas Acessibilidades, método e elaboração. Integração nos planos de mobilidade urbana sustentável. Boas práticas nacionais e internacionais. Análise de casos concretos. Interação com os alunos sobre a situação na sua cidade e vila. Descrição participada de soluções.

  • Paula Teles
  • 11 Janeiro
  • 09h00-13h00

3ª Sessão

A cidade das bicicletas: gramática para o desenho de cidades cicláveis.
Utilização diária da bicicleta na relação casa-trabalho-escola e respetiva adaptação do meio urbano. A cidade que quer também ser rua.

A bicicleta na cidade, seus modos de apropriação do meio urbano. Os movimentos políticos e culturais europeus de imposição da bicicleta como meio essencial de mobilidade em grandes cidades europeias. A bicicleta como bandeira da mutação cultural da cidade contemporânea. Modos de reforço da utilização da bicicleta na cidade e na vila. Estruturação urbanística para a qualidade e segurança da sua circulação. Compatibilidades e incompatibilidades do uso da bicicleta com o entorno urbano e outros modos de mobilidade. O Planeamento da Rede Ciclável Municipal e a sua integração nas restantes redes da mobilidade e nos instrumentos de Planeamento. A malha, pistas e corredores cicláveis e a cidade globalmente ciclável. A bicicleta pública, o bike-sharing, as u-bikes e outros sistemas de partilha. Como iniciar este trabalho numa cidade? Sistemas de apoio à utilização da bicicleta. Desenho das ciclovias e a relação com a hierarquização viária e com as novas políticas dos modos suaves. Medidas de segurança e conforto. Campanhas de aquisição de competências de circulação dos jovens ciclistas na via pública; Medidas de calmia de tráfego, zonas 30 e mobilidade em espaço partilhado. Boas práticas nacionais e internacionais. Análise de casos concretos. Interação com os alunos sobre a situação na sua cidade e vila. Descrição participada de soluções.

  • Paula Teles
  • 17 Janeiro
  • 14h00-18h00

4ª Sessão

Relação dos planos de mobilidade urbana
sustentável com os planos de uso do solo reduzir as distâncias, usos funcionais mistos, dos zonamentos aos eixos urbanos, a relação publico - privada na mobilidade urbana.

Reduzir as necessidades de deslocação na cidade ou vila; Reduzir as distâncias necessárias para aquisição de bens diários; Promover a cidade e vila de usos e funções mistas e compatíveis; Relação dos PMUS com os planos municipais de ordenamento do território - PDM, PU, PP; Definições funcionais a partir dos regulamentos administrativos dos PMOT; O papel do comércio tradicional na cidade sustentável; a economia circular; A pegada ecológica e a pegada carbónica; Os centros comerciais ao ar livre; O financiamento europeu e a tradução do Portugal 2020. Boas-práticas nacionais e internacionais. Análise de casos concretos. Interação com os alunos sobre a situação na sua cidade e vila. Descrição participada de soluções.

  • Pedro Ribeiro da Silva
  • 18 Janeiro
  • 09h00-13h00

5ª Sessão

O novo sistema jurídico de transportes públicos.
novas autoridades de gestão, novas funções, novo planeamento das redes e sua articulação com a restante estrutura da mobilidade.

A necessidade do planeamento da rede de transportes públicos em todas as cidades e vilas; O papel social do transporte público. Aproveitamento do regime jurídico do serviço público de transporte de passageiros. As novas cidades e vilas e os ajustamentos ao nível da rede de transportes públicos. A bilhética integrada e as tecnologias. A frequência no centro do sucesso da utilização deste modo. O Intermodal como centro da cidade e da vila; os corredores BUS, BRT ou outros e o desenho da cidade. A concorrência orçamental pública entre as infra-estruturas para o automóvel individual e as do TP; Transporte flexível e a pedido; as tendências dos próximos quadros comunitários 2030. Campanhas de cativação de novos clientes.

Serviços gerais de mobilidade em meio urbano
A logística urbana, estações da mobilidade, mobilidade como serviço (mobility-as-a-service) e a gestão do estacionamento na cidade

Novos conceitos de serviços de mobilidade em meio urbano. A exigente articulação entre os vários modos de deslocação. A intermodalidade como determinante na libertação do espaço urbano e na eficiência das deslocações. O conceito MaaS, Mobility-as-a-Service. As miniplataformas logísticas para organização da distribuição dos bens. A gestão do espaço público e a sua relação com o estacionamento. Diferentes políticas de estacionamento, modelos e sua regulamentação.

Boas-práticas nacionais e internacionais. Análise de casos concretos. Interação com os alunos sobre a situação na sua cidade e vila. Descrição participada de soluções.

  • Paula Teles
  • 31 Janeiro
  • 14h00-18h00

6ª Sessão

O desenho urbano e a mobilidade urbana sustentável.
O desenho urbano como indutor de modos suaves e ativos; a qualificação urbana; a utilização dos materiais autóctones; a acupuntura urbana e o urbanismo tático.

Qualificação do ambiente urbano; O desenho urbano como fator indutor dos modos suaves e ativos através do conforto, segurança e atratibilidade; A rua como o elemento urbano de referência para a cidade e vila sustentável; O papel do património edificado e da morfologia urbana; A transformação das infraestruturas viárias intrusivas em canais de modos suaves e ativos; Os elementos naturais em meio urbano; A redução dos poluentes atmosféricos; A eliminação dos paradoxos e concorrências desleais entre modos de transporte; Novos perfis humanos para velhas ruas urbanas; Eventos que transformam o imaginário de ruas e avenidas; Boas práticas nacionais e internacionais; Análise de casos concretos. Interação com os alunos sobre a situação na sua cidade e vila. Descrição participada de soluções.

  • Pedro Ribeiro da Silva
  • 01 Fevereiro
  • 09h00-13h00

Visita de estudo

Visita de estudo à cidade de Pontevedra, Espanha
  • Paula Teles e Pedro Ribeiro da Silva
  • 07 de Fevereiro